quinta-feira, 18 de junho de 2009

O medo do normal

Andava eu a pesquisar coisas sobre a parteira Ina May Gaskin quando descobri isto:

Nipplephobia on Facebook

O medo do normal, do natural, do poder e extraordinária beleza da amamentação e as consequências desse medo não podem deixar ninguém indiferente.

Tal como no parto, esta vontade de manipular, de controlar, de usufruir de um poder que não nos pertence (pois é da dupla mãe-bébé), leva a intervenções, medos, mitos. Pensar que uma mama, na sua função plena de alimentar uma criança, pode ser considerada obscena faz-me lembrar as parturientes que "se portam bem" durante o parto ... Portam-se bem porque não gemem, não gritam, não vocalizam e não nos lembram que parto também é sexo, sexo como amor, fusão entre dois seres que se amam, partilha e entrega a algo que nos transcende.

Amamentar é tão natural como o parto e como o sexo e provoca tanto medo como o parto e como o sexo. E enquanto não for reconhecido na mulher este poder e esta naturalidade, continuará a haver quem nos queira "bem-comportadas e decentes", com a amamentação devidamente arrumada na privacidade do quarto (juntamente como os gemidos, claro) .

1 comentário:

Cristina Silva disse...

excelente! clap clap clap!