quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Comunicado da HumPar sobre exibição de parto em directo na SIC

Abaixo divulgamos o comunicado emitido pela HumPar - Associação Portuguesa pela Humanização do Parto, dirigido à estação televisiva SIC, que é também subscrito pela Associação Doulas de Portugal.

Comentário ao Programa "Boa tarde", exibido na SIC a 13 de Setembro de 2010

A SIC exibiu, no passado dia 13 de Setembro de 2010, durante a estreia do programa "Boa tarde", uma reportagem na qual transmitiu em directo imagens não editadas de um parto e uma cesariana, ocorridas respectivamente no Hospital de Santa Maria em Lisboa e Hospital de Beja. A Humpar não se conforma com a forma como este tema foi tratado e enviou o seguinte comunicado à estação de televisão, manifestando o seu repúdio:

Exm.º Senhor Director de Programas da SIC – Sociedade Independente de Comunicação,

A Humpar — Associação Portuguesa pela Humanização do Parto — gostaria de expressar o seu descontentamento em relação à peça televisiva exibida ontem, dia 13 de Setembro de 2010, na estreia do programa Boa Tarde, apresentado por Conceição Lino. Os motivos que levaram a vossa estação a exibir em directo um parto e uma cesariana são por demais evidentes: vivemos numa sociedade mediatizada, na qual o papel da imagem televisiva assume uma relevância exacerbada, e as televisões não olham a meios para atingir os seus fins.

Conseguir audiências à custa do sacrifício dos valores éticos mais básicos é prática comum nos nossos dias, e os reality shows tornaram-se o paradigma dos dias de hoje. No entanto, o voyeurismo associado ao programa em questão consegue ser verdadeiramente chocante.
Em primeiro lugar, porque em nada contribui para informar ou educar, limitando-se a mostrar em directo um parto e uma cesariana, sem qualquer contextualização que não seja a oportunidade (assumida!) de promover a estreia de um programa de televisão.
Em segundo lugar, porque invade a privacidade das pessoas envolvidas, incluindo os bebés recém-nascidos, que vêm assim devassado o seu direito, consagrado pela Constituição da República Portuguesa, da reserva à vida privada. E também porque embora seja óbvio que foi obtido o consentimento das parturientes, o simples facto de abordar mulheres num momento de fragilidade emocional como um parto revela mau gosto e pouco respeito pelas regras deontológicas do jornalismo e reportagem.
Acresce que a falta de preparação da apresentadora/repórter para assistir a um nascimento é notória — falar constantemente durante todo o processo, entabular diálogos e encetar perguntas ao pessoal técnico e à parturiente, viola as necessidades básicas de uma mulher em trabalho de parto, como qualquer pessoa que se encontre numa sala de parto tem obrigação de saber.
Aliás, a conivência das administrações hospitalares e do pessoal médico com a situação é igualmente grave.
Actualmente nos hospitais portugueses a mulher tem direito a um acompanhante (não podendo optar, por exemplo, pelo acompanhamento simultâneo do companheiro e de uma doula), conforme estipulado por lei, e em muitas situações a observância deste direito nem é respeitada, invocando-se motivos logísticos. É inadmissível que se tenham aberto excepções a esta norma, ao permitir a permanência de pessoas estranhas durante o parto, sacrificando-se assim o direito de uma utente do Serviço Nacional de Saúde às condições necessárias para um parto bem sucedido, em nome de um mediatismo desprovido de princípios.

Porque estas imagens são demasiado graves para passarem em branco, repudiamos veementemente a "reportagem" por vós exibida, e gostaríamos de ver este comunicado divulgado publicamente, uma vez que temos conhecimento, através dos nossos associados, que muitos dos espectadores portugueses estão descontentes com a exibição das imagens em causa.

O nascimento é sem dúvida um tema que está na ordem do dia (e a SIC tem no seu currículo trabalhados jornalísticos de qualidade sobre o assunto), que merece um tratamento sério e elucidativo. Seria no mínimo interessante proporcionar um debate alargado acerca do que foi exibido, com possibilidade de contraditório. A Humpar declara-se desde já disposta a participar.

Atentamente,

A Direcção da Humpar 14 de Setembro de 2010


2 comentários:

amaria disse...

Boa noite.
Eu não tinha conhecimento desta reportagem e fiquei interessada em ver com os meus próprios olhos. Realmente é como dizem. É um ultraje à mãe, ao recém-nascido e até ao próprio conceito de parto. Um momento destes deveria ser o mais tranquilo possível e nesta reportagem, é tudo menos isso! Onde é que já se viu estar a fazer perguntas a uma mulher no momento do parto? Quanto mais perguntas tão fúteis como "vai haver muitas coisas cor-de-rosa lá em casa?". Por amor de Deus! Que insensibilidade! Obrigada por divulgarem esta barbaridade e por enviarem este comunicado à Sic. Ninguém foi capaz de impedir isto, mas pelo menos pode ser que a divulgação e o comunicado sirvam para que mais tarde não se volte a repetir...

rita disse...

Foi uma pena não enviarem o mesmo para as administrações dos hospitais, direções do serviçode obstetrícia que em autorizaram a barbaridade e deviam saber o que fazem...