sexta-feira, 22 de abril de 2005

Somos mamíferos.

“Todos os mamíferos se escondem, se isolam para trazer ao mundo a sua prole. Necessitam intimidade. Os seres humanos também. É imprescindível fazer referência constante a essa necessidade de intimidade. (…)
Para trazer ao mundo as suas crias, as fêmeas dos mamíferos devem segregar certo número de hormonas bem conhecidas. As mesmas hormonas se desencadeiam no momento do parto de um ser humano. São libertadas pelas estruturas primitivas do cérebro que temos em comum com todos os mamíferos, ponto de partida de qualquer intento de compreensão do processo de parto na nossa espécie.
(…) Todas as culturas que conhecemos encontraram meios para perturbar o período que rodeia o nascimento e para negar as necessidades fundamentais que compartilhamos com os demais mamíferos.
(…) Tem-se dado uma grande credibilidade às atitudes que se apoiam numa incompreensão fundamental dos processos fisiológicos. Os franceses são responsáveis pelos extravios mais significativos. Assim, Lamaze, obstetra francês, pai da psicoprofilaxia ocidental, dizia e escrevia que uma mulher deve aprender a dar à luz tal como aprende a andar, a ler ou a nadar. Estas indicações despistaram o mundo inteiro, e com o tempo, resultaram numa crise. (…) Foi assim que gerações de mulheres gestantes foram preparadas para o parto.
A interpretação do processo de parto como um processo involuntário que põe em marcha as estruturas ancestrais, primitivas, mamalianas do cérebro, pressupõe desfazer a ideia aceite de que uma mulher pode aprender a parir. Esta interpretação permite, inclusive, compreender que não se pode ajudar activamente uma mulher a parir. Não se pode ajudar num processo involuntário. Somente se pode evitar perturbá-lo demasiado.”

In Michel Odent “El bebé es un mamífero” 1990.
Traduzido e adaptado por Carla Guiomar.

4 comentários:

ana disse...

Parabéns pelo artigo na PAIS E FILHOS!!!!
JINHOS ana
xapinha.blogs.sapo.pt

mfc disse...

Um grande fim de semana e viva Abril.
Um abraço.

carolbottacin.zip.net disse...

Nossa,não tinha conhecimento desse trabalho tão maravilhoso, que resgata o lado mais profundo da psique feminina, no momento do parto é realmente preciso algo mais, e essa forma de parir tida como primitiva é a que mais eleva esse momento tão precioso... Acredito realmente que podemos aprender a parir como aprendemos a andar... Nós mulheres somos capazes de muito mais do que imaginamos, somos desacreditadas por essa sociedade que nos julga, e nos faz acreditar que somos como frágeis bibelôs... Onde anda seu quê selvagem, sua alma de loba...

Luisa Condeço disse...

E por falar em alma de loba, já leu um outro que se chama "When God was a Woman"? Não tão especial como o livro da Clarissa Estes mas a valer a pena ler para quem se nteressa pelo que a sociedade ns tem vindo a fazer desde há séculos de humanização... ou desumaninação...ehehehe
Um abraço! Luisa