quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

Filosofia das Doulas de Portugal


A Associação Doulas de Portugal é uma organização de doulas portuguesas com o objectivo de promover e divulgar o papel da doula no acompanhamento perinatal em Portugal, como uma frente de acção na humanização do parto e nascimento em Portugal. As doulas ajudam as mulheres e seus companheiros a viverem experiências de parto e pós-parto saudáveis, seguras, satisfatórias e enriquecedoras.

Acreditamos na capacidade inata de parir das mulheres e reconhecemos o parto como um evento natural e fisiológico, que faz parte da sexualidade feminina e cujo impacto na identidade e bem-estar integral da mulher não pode ser negligenciado. O parto e o nascimento são um ritual de passagem, uma celebração, e a mulher deve ser especialmente honrada e acarinhada nesse momento sagrado.

Acreditamos que todas as mulheres devem ter a oportunidade de ter os serviços de uma doula, independentemente da região onde vivem e do seu estrato sócio-cultural-económico.

Desde tempos remotos, o parto sempre foi um evento do universo feminino, acompanhado por mulheres mais velhas, familiares ou amigas, que embora sem treino profissional, possuíam experiência de vida, e que ofereciam apoio e encorajamento no período à volta do nascimento. Do mesmo modo, o apoio da doula vem antes de mais do coração e sabedoria individual de cada mulher.

Acreditamos que a mulher deve ser a protagonista do seu próprio parto e que nesse princípio assenta a humanização do nascimento.

O apoio da doula é essencialmente emocional, visando o bem-estar e o conforto das mães e suas famílias. Antes, durante e após o parto, é sobretudo a presença tranquila e confiante da doula que fará a mãe sentir-se segura. A doula ajuda a mulher a encontrar dentro de si o poder de conduzir o nascimento dos seus filhos, promovendo a confiança na sua sabedoria interior e visando a protecção da memória emocional da experiência do parto e pós-parto.

Potencialmente, qualquer mulher, com treino específico ou não, pode dar apoio durante a gravidez, o parto e período pós-natal. O seu desempenho depende da sua maturidade pessoal, conhecimentos e visão única da gravidez, parto e maternidade. A principal ferramenta que a doula tem é ela própria!

Reconhecemos que ser doula será mais fácil para as mulheres que têm experiência de maternidade, amamentação e cuidados com bebés, mas sabemos também que existem mulheres que, não tendo essa experiência, podem ser excelentes doulas. Defendemos que a mãe possa sempre escolher a doula com quem se sente mais confortável.

Acreditamos que o papel da doula é um modo de “estar” e não de “fazer”. A formação enquanto doula é sobretudo um percurso pessoal e não se pode pensar que a frequência de um curso de alguns dias transforme uma mulher numa doula. As doulas estão num processo permanente de aprendizagem, descoberta e partilha. Só com uma postura aberta ao desenvolvimento pessoal e crescimento humano é possível estar disponível para ajudar os outros. No processo de formação de uma doula tem que existir uma profunda concentração na consciência de si própria e hábitos de reflexão.

A doula é uma figura maternal de protecção que está ao lado de outra mãe para a ouvir, proteger, apoiar e responder às suas necessidades. Por isso se diz que a doula é uma “mãe para a mãe”. A doula não vem substituir o pai, parceiro ou qualquer outro familiar ou profissional do cenário de parto. As acções da doula nunca são conduzidas pelo seu ego mas sim pela sua sensibilidade e amor incondicional.

As doulas não executam qualquer acto médico nem fazem aconselhamento médico, mas deverão ter bons conhecimentos da fisiologia do parto e do período pós-natal de forma a que possam oferecer apoio e orientação no sentido de ajudar a mulher a encontrar as melhores soluções para o seu caso.

Ser doula é um trabalho de paixão. Não pretendemos ser apenas mais um “profissional” a sobrecarregar o cenário de parto já de si muito profissionalizado. Existem tantas doulas diferentes quanto existem mulheres. Esperamos que cada mulher possa encontrar a sua doula como quem encontra uma grande amiga. Para a doula será sempre um privilégio poder partilhar com ela o milagre de mais um nascimento.

5 comentários:

stellamaris disse...

Dos textos mais bonitos que tenho lido sobre o parto e as mulheres. Bjinho

Vanessa disse...

Senti na pele, o quanto este País é carente de "humanização" na hora do parto.
Tomara eu, ter conhecido uma Doula antes (e depois também) do parto.
Não sei se voltarei a ter coragem para ter outro filho mas, se for o caso, tenho agora a consciência que me poderá ser muito útil ter uma Doula como aliada.

É uma bela iniciativa, parabéns a todas as Doulas!

Vanessa disse...

O parto: http://primeiraqueixa.blogspot.com/

PS: Acho importante divulgar que estes episódios ainda acontecem no nosso País, daí a inconveniência (ou não) de deixar o link no vosso espaço.
Peço desculpa pelo "abuso" (podem sempre apagar o comentário), e mais uma vez deixo-vos a minha admiração.
Obrigada por existirem!

Luisa Condeço disse...

Olá Vanessa. Todas as experiências e relatos contados em primeira mão são importantes. Sabes que também podes ter uma doula não estando grávida, apenas para falar sobre o teu parto. Isso muitas vezes ajuda imenso. Beijinho

Zeca disse...

O Plagiadíssimo é um blog para as grandes e pequenas causas.
Por isso mesmo este post foi lá parar.
Passa por lá e fica bem.