quarta-feira, 9 de fevereiro de 2005

Cesariana Anterior

“Antigamente, o lema era «uma vez cesariana, sempre cesariana». Quando uma mãe fazia uma cesariana era informada de que quaisquer bebés posteriores também teriam de nascer por cesariana. Pesquisas fiáveis demonstram claramente que na maioria dos casos, essas mães podiam perfeitamente ter um parto vaginal. As cesarianas de rotina motivadas por uma cesariana anterior conduzem a um grande número de operações desnecessárias.
(…)
A incisão uterina «clássica», mais antiga, é vertical e percorre a parte superior do útero, mais rica em tecido muscular e que se contrai durante o parto. Ocasionalmente, pode efectuar-se uma incisão em forma de «T invertido», constituída por um primeiro corte transversal, na parte inferior do útero, e por um segundo corte vertical, que vai da parte inferior à parte superior e musculatura do útero; este corte é efectuado pelo médico para criar mais espaço quando existem dificuldades em tirar o bebé. O aspecto da incisão cutânea – transversal ou vertical – nada tem a ver com a incisão uterina.

Com uma incisão transversal na parte inferior do útero, as hipóteses de ruptura são bastante reduzidas: o risco vai de 0,09 a 0,22%.
Os dados sobre o trabalho de parto nas mulheres com uma incisão clássica na parte superior do útero são muito escassos. As estimativas mais fiáveis relativas ao risco de ruptura vão dos 2,2 aos 14%. Os dados sobre o trabalho de parto em mulheres com uma incisão em forma de T invertido também são limitados: actualmente, a melhor estimativa sugere um risco de ruptura de cerca de 1,3%.
(…)
Quando as mães decidem ter um parto vaginal após cesariana deverá a assistência ao trabalho de parto ser diferente da assistência a um «parto normal»? A combinação das conclusões de várias pesquisas indicam que a mulher que entra em trabalho de parto após uma cesariana deve ser tratada exactamente da mesma forma que qualquer outra parturiente.”

“Gravidez e Parto - As Melhores Provas” de Joyce Barrett e Teresa Pitman

1 comentário:

doula disse...

Devem ser tratadas com o as outras até um certo ponto... as mães que preferem um parto vaginal depois de uma cesariana devem ter o cuidado de avisar os seus médicos de que não querem de forma alguma ser induzidas ou aceleradas com occitocina, já que esta hormona artificial aumenta o risco de ruptura uterina. Ah! e esta ruptura uterina é relativa a pequenas janelas na cicatriz e não um rasgo por inteiro como muitas vezes se julga! Acho que bem vistas as coisas, a occitocina artificial deveria era ser usada apenas em casos de necessidade absoluta!!