sexta-feira, 7 de outubro de 2005

A melhor opção é a informação - Casas de Parto no Brasil

Donas do próprio parto

Elas pertencem às classes média e média alta, têm nível superior e plano de saúde. Mas, para terem os seus bebés, preferem recorrer a casas de parto do Sistema Único de Saúde, do que optar pela megaestrutura oferecida pelos hospitais privados. Ter a hipótese real de um parto humanizado, fugir de uma cesariana, acreditar que o nascimento é um acto fisiológico e não médico e desejar suporte emocional e não apenas tecnológico. Esses são alguns dos motivos enunciados por mulheres que, acima de tudo, alegam querer ser "donas" de seus próprios partos.
Todas têm em comum a intenção de evitar as sucessivas intervenções médicas que fazem parte das rotinas hospitalares e seus procedimentos - padrão - que vão desde a raspagem dos pêlos púbicos (tricotomia) ao corte e à sutura no períneo (episiotomia), passando por lavagens intestinais, rompimento induzido da bolsa de águas (amniotomia) e uso de ocitocina para acelerar o nascimento.
Hoje, há no país 14 casas de parto (ou Centros de Parto Normal, como são chamadas na portaria do Ministério da Saúde que as criou, em 1999). Todas fazem parte do sistema de saúde pública.
"A mulher está mais informada e percebeu que a melhor maneira de ter seu bebê é com o mínimo de intervenção. Como o serviço privado ainda não tem essa alternativa para oferecer, ela está migrando para a rede pública", observa o ginecologista, obstetra e pesquisador na área de saúde da mulher, Marcos Dias. "A sociedade começou a responder por estar se sentindo enganada. As gestantes combinam com seus médicos que querem o parto normal e, na última hora, escutam uma desculpa para a cesárea. Médicos não querem esperar, e casas de parto são feitas para isso", completa Francisco Vilella, homeopata, ginecologista e obstetra.

Três dias antes do nascimento de Raphael, a chefe Marina Campliglia, 30, ouviu da médica que a acompanhava "que o bebê era muito grande e havia uma incompatibilidade entre o tamanho da cabeça dele e o da pelve dela". "Estava na 41ª semana e sabia que seria provavelmente a minha última consulta. Saí chorando. Três dias depois, as contrações vieram. Virei para o meu marido e disse: "Vou para a casa de parto agora.'"
Marina não hesitou em percorrer, os 40 minutos correspondentes à distância entre a sua casa, em Moema, bairro nobre da zona sul de São Paulo, e a Casa de Parto de Sapopemba, na periferia da zona leste. "Desci do carro, e a bolsa estourou. Raphael nasceu comigo, com o pai e com a parteira. Sem anestesia, sem nada. Dez horas depois, peguei minhas coisas e voltei para casa, sem passar por mil médicos. Foi perfeito."
Grávida de sete meses, a escritora Micheliny Verunschk, 33, única mulher finalista na última edição do prémio literário Portugal Telecom, está dividida entre ter a filha Nina numa casa de parto ou em sua própria casa.
"Como leiga e mãe de primeira viagem, tinha certeza de que estaria mais segura se tivesse o bebê numa maternidade. Até que a médica me falou que se sentira "ofendida" por primas que optaram por partos na água e em casas de parto. Aquilo acendeu luzes de alerta em mim", lembra. Tomada pela dúvida, dedicou-se a pesquisar. "Fui ler, buscar informações na internet e conversar com outras mulheres. Comecei a notar que a cesárea continua a ser o procedimento médico mais cômodo."
A escritora, que ressalta que nunca seguiu "a linha natureba", diz ter começado a questionar os hospitais. "Descobri que [nos hospitais] procedimentos contra-indicados pela OMS para partos normais, como a tricotomia e a episiotomia, são rotina. Não quero parir em um hospital, a menos que seja necessário. Acho que meu lado "bicho" despertou."
A distância da sua casa até à casa de parto é o empecilho de peso. "Talvez por isso decida ter em casa. Veja bem, quantas vezes você ouviu falar de infecção domiciliar? Já de infecção hospital, eu ouvi inúmeras histórias."
Um estudo publicado pelo "British Medical Journal" acompanhou 5.418 nascimentos domiciliares monitorados por parteiras nos EUA. A conclusão foi que, para mães saudáveis, as chances de um parto seguro são as mesmas em um hospital ou em casa. Do total de grávidas acompanhadas, 87% pariram sem necessidade de intervenção médica. Só 3,4% das parturientes foram transferidas para hospitais; 4,7% utilizaram anestesia; 2,1% fizeram episiotomia, 1% precisou de fórceps. A pesquisa demonstra ainda que as percentagens de intervenção são mais baixas do que as de partos em hospitais.

POLÉMICA
Criadas há seis anos, as casas de parto tornaram-se o centro de um fogo cruzado entre as categorias de profissionais de saúde. Isso porque o texto da portaria que as oficializou permite que elas funcionem sem que seja obrigatória a supervisão de um médico, podendo ser geridas por enfermeiras-obstetras.
Referidas, como sendo "pouco seguras", por instituições como a Febrasa (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) enfrentam severas críticas. Criadas para atender gestantes de baixo risco, não contam com centros cirúrgicos.

"Esses lugares não oferecem segurança absoluta à gestante. Não posso concordar que o nascimento de uma criança não conte com a presença de um neonatologista ou que a mãe não tenha um anestesista para aliviar sua dor. É um retrocesso", avalia Luiz Camano, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e presidente da Comissão de Assistência ao Parto da Febrasgo.
Em 2004, quando foi inaugurada a casa de parto de Realengo, no Rio de Janeiro, o Conselho Regional de Medicina entrou com uma ação judicial para impedir o funcionamento da unidade.
"Até hoje vivemos numa briga sem fim com eles", comenta a enfermeira-obstetra Leila Gomes Ferreira de Azevedo, coordenadora da casa que, até a última quinta-feira, já tinha realizado 352 partos. "A média atual é de 36 por mês, mas queremos chegar a 80", afirma.
A casa de parto de Realengo atende moradoras do bairro e de algumas regiões do vizinho distrito de Bangu e oferece um serviço de pré-natal que inclui práticas desde a respiração a orientações de cuidados com o bebê. As mães que têm seus filhos ali ficam em quartos com cama de casal, com o bebê e o companheiro.
Tudo isso encantou a pedagoga Malila Barros Wrigg, 24, que, como morava na região assistida pela unidade, decidiu, já no quinto mês de gravidez, deixar para trás o obstetra que a acompanhava desde a adolescência e, com ele, todos os hospitais catalogados por seu plano de saúde, para dar à luz em Realengo.
"Quando disse que queria ter o bebê numa casa de parto, enfrentei muita resistência da minha família. Mas meu marido me apoiou, e me envolvi totalmente com as palestras e as oficinas do pré-natal. Em nenhum outro lugar aprenderia tanto quanto aprendi ali", enfatiza.
Porém, na primeira hora do dia 18 de Dezembro de 2004, a bolsa de Malila rompeu seguida de um grande sangramento. A hemorragia a tirou do protocolo de gestante de baixo risco. Tratava-se de um descolamento prematuro de placenta, e ela foi transferida para uma maternidade pública no bairro vizinho.
O parto de Clara, hoje com oito meses, teve uma série de complicações. Depois de uma cesariana de urgência, a criança nasceu com morte aparente. "Foi frustrante, mas, naquela situação, ouvindo o coração da minha filha quase parar, a possibilidade de cirurgia apareceu como uma solução", lembra Malila, que continua defendendo as casas de parto, desde que sejam anexas a hospitais.
De acordo com dados do Ministério da Saúde, somando o volume de partos realizados nas casas de Belo Horizonte, Juiz de Fora e do Rio de Janeiro entre 2001 e 2004 chega-se a um total de 4.838. Houve seis óbitos neonatais. Nenhum óbito materno ocorreu. "A casa de parto é totalmente segura para as gestantes saudáveis", reforça o obstetra Marcos Dias. "O conceito de gravidez de baixo risco é ultrapassado. Uma gestante de baixo risco se converte numa parturiente de alto risco inesperadamente", rebate Luiz Camano.

ALTERNATIVA AO HOSPITAL
Enquanto as mães reivindicam o protagonismo dos partos, as doulas - versão moderna de parteira, conselheira e incentivadora do parto normal- actuam como coadjuvantes de peso. "A classe médica ficou desatualizada sobre como conduzir nascimentos. O parto, como a vida, tem riscos. Mas isso não justifica a hospitalização desnecessária", observa a doula Maria de Lourdes Teixeira, a Fadynha.
Entre as várias discussões possíveis, o facto é que as mulheres estão a reavaliar como devem parir as suas crianças. É o caso da arquitecta Carla Demattio, 34, que vive o processo de escolher onde vai ter o seu bebé e está a considerar a Casa de Parto de Sapopemba uma das suas opções. "Acho que seria uma saída para fugir das rotinas dos hospitais", explica.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq0610200504.htm
Onde encontrar
Belo Horizonte (MG)
Centro de Parto Normal do Hospital Sofia Feldman
Rua Antonio Bandeira, 1.060, Tupi
www.casasdeparto.com.br/casasdeparto/sofiafeldman.asp

Brasília (DF)
Casa de Parto de São Sebastião
Unidade Mista de Saúde, Centro de Múltiplas Atividades, conjunto 10, centro, São Sebastião

Fortaleza (CE)
Centro de Parto Normal do Hospital Distrital Gonzaga Mota de Messejana
av. Washington Soares, 7.700, Messejana
Itapecerica da Serra (SP)
Centro de Parto Normal do Hospital Geral de Itapecerica da Serra
Av. Guacy Fernandes Domingues, 200, Itapecerica da Serra

Juiz de Fora (MG)
Casa de Parto de Juiz de Fora
Rua Benjamin Constant, 790, centro
Rio de Janeiro (RJ)
Casa de Parto David Capistrano Filho
Av. Pontalina, s/n, Realengo
www.casadeparto.kit.net

São Paulo (SP)
Casa de Parto de Sapopemba
rua São José das Espinharas, 400, Sapopemba
Casa de Maria
rua Salvador Balbino Matos, 400-A, Itaim Paulista

Sites:
www.partonatural.com.br
www.amigasdoparto.com.br
www.partohumanizado.com.br
www.doulas.com.br
www.doulas.org.br
www.casasdeparto.com.br
www.maternidadeativa.com.br
www.partohumanizado.blogger.com.br
www.xoepisio.blogger.com.br
www.partoemcasa.weblogger.terra.com.br
www.birthdiaries.com/
www.maternitywise.org
www.socalbirth.org
www.waterbirth.org
www.homebirth.org.uk/
www.childbirth.org/
www.victoriousbirth.com/
www.unassistedchildbirth.com/
www.activebirthcenter.com/
www.gentlebirth.org/

Tire suas dúvidas
O que é uma casa de parto?
Os CPN (Centros de Parto Normal) foram criados pelo Ministério da Saúde em 1999 e são definidos na portaria 985 como "unidade de saúde que presta atendimento humanizado e de qualidade exclusivamente ao parto normal sem distócias"

Toda mulher pode ter seu bebê em uma casa de parto?
Não. Apenas aquelas cuja gravidez é de baixo risco, ou seja, sem nenhum problema e com tempo igual ou superior a 37 semanas. Algumas casas de parto -como a de Realengo, no Rio de Janeiro- restringem seu atendimento a moradoras da vizinhança

Quem não pode dar à luz numa casa de parto?
Gestantes hipertensas, diabéticas, cardiopatas ou que apresentam algum quadro patológico; grávidas que entram em trabalho de parto com tempo gestacional inferior a 37 semanas; grávidas de gêmeos; gestantes que já tiveram um parto cesárea

A casa de parto tem médicos?
Não necessariamente. De acordo com a portaria que os criou, os Centros de Parto Normal podem ser dirigidos por enfermeiras-obstetras. Alguns, como o de Brasília, têm médicos em seus quadros, mas não é obrigatório

Há equipamentos para socorrer o bebê?
Sim. Os centros dispõem de equipamentos para reanimação do bebê e monitoramento dos batimentos cardíacos e do líquido amniótico durante o trabalho de parto, além de incubadora móvel para o caso de a transferência da criança a um hospital

Como é o parto?
A mãe é estimulada a protagonizar o nascimento do bebê. Durante o trabalho de parto ela pode comer, ingerir líqüidos, andar, tomar um ducha ou ficar dentro d'água numa banheira, ficar de cócoras ou na posição que lhe for mais conveniente

O que a casa de parto não faz?
Parto cesárea, tricotomia (raspagem dos pêlos pubianos), lavagem intestinal, aplicação de anestesia, corte do períneo. O uso de ocitocina (substância que acelera o trabalho de parto) e a perfuração da bolsa podem ocorrer, mas não são rotina.

Pode dar errado?
Pode. Em caso de complicação durante o trabalho de parto, a mulher é transferida a um hospital público que atua em parceria com a casa de parto. Ela não pode escolher para qual hospital quer ser levada. Todos os centros têm ambulância.

Quando há transferência para um hospital?
Em casos de descolamento prematuro de placenta, sangramento, pressão alta da parturiente durante o trabalho de parto, presença de mecônio (fezes do feto) no líquido amniótico, bradicardia (diminuição dos batimentos cardíacos) ou sofrimento fetal.

Como é alojamento?
Em algumas casas de parto, é conjunto -as mães ficam juntas em quartos coletivos. Em outras, como a do Rio de Janeiro, a mãe fica em quarto com cama de casal junto com o bebê e o acompanhante. Os bebês sempre ficam na companhia da mãe.
________________________________________
Fontes: casas de parto, mães, médicos e enfermeiros

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq0610200506.htm

De TATIANA DINIZ - DA REPORTAGEM LOCAL, em Folha SP (06.10.05) - adaptado por Sónia Sousa

3 comentários:

Emily Santiago disse...

VNU signs deal with Gawker Media to publish gadget weblog
Global media and information company VNU has joined forces with Gawker Media to publish the gadget weblog Gizmondo.com. Gawker Media, the New-York based media company, publishes more than a dozen weblogs, ...
Find out how you can buy & sell anything, like things related to music on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like music!

Rita disse...

Esperemos que muita gente veja esta notícia, e que toque na sensibilidade de todos. Para que vejam que é possível parir de outra forma!

Tom Naka disse...

Cool blog you have going here, I will check in often! I have a similar site about low cost group health insurance
. It pretty much covers low cost group health insurance
related stuff.